Frete marítimo na rota China-Brasil disparou e produtos devem chegar mais caro na casa do consumidor.

A China tornou-se em 2020 o primeiro parceiro comercial do Brasil a superar a marca histórica de uma corrente de comércio em produtos de frete (exportação + importação) superior a US$ 100 bilhões. Foram exatamente US$ 101.728 bilhões comercializados pelos dois países. As exportações brasileiras alcançaram a cifra igualmente recorde de US$ 67.685 bilhões e as importações totalizaram US$ 34.042 bilhões.  Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

Produtos na rota dos contêineres da China sofrerão aumento

Roupas, equipamentos eletrônicos, pneus e todos os produtos trazidos por contêineres de países como China, Coreia e Japão sofrerão os impactos diretos deste reajuste, que deverá começar a ser mais perceptível agora no início de 2021, à medida em que vão ocorrendo os desembarques, já com a forte alta no frete.

Indiretamente a disparada do frete deve afetar todas as mercadorias comercializadas no Brasil, avalia o presidente da Associação Brasileira dos Importadores e Distribuidores de Pneus (Abidip) Ricardo Alípio da Costa. Ele destaca que os pneus, mesmo os fabricados no Brasil, dependem de matéria-prima importada como o aço.

“Toda a logística interna de insumos, alimentos, medicamentos e produtos em geral no Brasil é feita por caminhões. O pneu é o terceiro item mais caro no custo de manutenção de um caminhão, portanto, a elevação do seu preço tem grande impacto no custo total do transporte interno de mercadorias”, disse Alípio.

Oferta e demanda

No maior porto do Brasil, responsável por cerca de 30% da movimentação contêineres do país, o Porto de Santos, não se verifica aumento tão expressivo no segundo semestre que pudesse relacionar a disparada do frete com excesso de demanda. Segundo dados divulgados pelo próprio terminal, no mês de outubro a movimentação de contêineres foi apenas 0,2% superior ao mesmo mês de 2019.

Prática reiterada

Movimento semelhante no preço do frete, mas em um espaço maior de tempo, ocorreu entre outubro de 2015 e dezembro de 2017. Conforme amplamente noticiado à época, deliberadamente armadores reduziram à metade os serviços de navegação entre Ásia e Brasil, o que elevou em seis vezes o custo do frete e tornou a rota a mais cara do mundo.

por Valdemar Medeiros 09-01-2021 09:01:37

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Com muito ❤ por go7.site
⚙️